quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Conversas com o mar 2

Lembrei-me agora que a história da Sereia tinha começado no meu antigo blog. Daí que pensei em republicar os textos dessa altura, este aliás é o 2º pois já tinha posto este.



Sexta-feira, Abril 21, 2006

Mantive silêncio e também não resultou


O mar está revolto, anunciam-se ondas de 4 metros ao largo, estive caladinho, nem um só comentário, mas lá veio outra vez mau tempo para mergulhar!

Sinceramente acho que vou aprender surf, ao menos se não puder mergulhar sempre vou surfar:-)

Quando saí do carro, atrás do cordão dunar, logo sem conseguir ver o mar disse imediatamente à Kind of Magic - Nã... Amanhã não vou mergulhar estás a sentir o cheiro. - O cheiro era trazido pelo vento que soprava furioso e provocava vaga de Oeste, arrastando o seu odor bem para trás do cordão dunar. É um cheiro salgado, maravilhosamente salgado que nos invade os sentidos e nos arrebata a alma, que nos abraça e acaricia e que nos convida a dançar, rodopiando em remoinhos. É a maresia!

Olá - disse-nos ela - dançando entre nós, vejo-vos passar todos os dias ali em cima, mas não têm parado por aqui!

- Sabes como é sempre com pressa, o trabalho, as obrigações... Que disparate claro que não sabes! Que sabes tu de trabalho e de obrigações?

- Mais do que imaginas - soprou a maresia aos nossos ouvidos - Julgas que não dá trabalho trazer serenidade a todos os humanos que me respiram? E as minhas obrigações com os poetas, os músicos e os pintores, enfim com os artistas?

-Tens obrigações?

-Sim, claro tenho a obrigação de os inspirar!

-Pensava eu que a vida para ti era leve, que apenas te divertias

-Claro que me divirto, adoro o meu trabalho e as minhas obrigações por isso é que não me pesam.


Fiquem Bem!

sábado, 18 de agosto de 2007

Garrafas


Alterei o toque das mensagens do meu telémovel, cortei uma parte da música do Message in a Bottle dos Police e Zás!

Escrevi uma mensagem numa Garrafa Azul e lancei-a ao mar na esperança que a minha Sereia a lei-a. Há muito tempo que não estou com ela e morro de saudades, corri até ao mar e deixei que as ondas me acariciassem os pés, joguei a garrafa, gritei pelo seu nome e esperei. Esperei, mas ela não veio.

As ondas continuaram a fazer-me festas e a dar palmadinhas enquanto foram dizendo:

- Não fiques assim tão triste, pois temos a certeza que só uma forte razão a está a prender lá no fundo". Olhei para elas e sem saber o que dizer limitei-me a sacudir a cabeça.

- Vá lá, não fiques assim. Vem divertir-te conosco, não nos achas lindas?

- Claro que são lindas - respondi - mas, desculpem a franqueza, não se aproximam da beleza da minha sereia. Nela tudo é lindo, as curvas do seu corpo não têm rival, nem nas mais perfeitas ondas, a côr dos seus olhos ultrapassa o mais lindo azul dos oceanos e o seu cabelo faz empalidecer o mais belo de todos os areais.

- Se calhar estás a exagerar um pouco - retorquiram-me mostrando-se um pouco ofendidas.

- Não. Nunca serei capaz de transmitir por palavras a beleza dela, pois por cada sentido teria de escrever um texto do tamanho da Enciclopédia Britanica apenas dar dar uma pálida ideia.

- Como assim?

- A descrição que fiz foi apenas um pequeno extracto do que me transmite a visão. Se fosse falar da audição teria de dizer que a voz dela é mais bela que o ressoar mais romântico que alguma onda poderá produzir, que o som da sua respiração não tem qualquer comparação com o mais doce arulhar do vento. No que diz respeito ao olfacto, bem podem tentar a mais bem conseguida mistura de maresia e flores tropicais que nunca conseguirão aproximar-se do magnifico odor da sua pele despida e suada após termos feito AMOR. A suavidade da sua pele é tal que nos leva ao Nirvana só de imaginar-mos que a estamos a tocar. Deixei para o fim o paladar, pois o sabor da boca dela ultrapassa o hidromel da mitologia grega. De facto depois de beijá-la sentimo-nos no Olimpo...

- Chega! Não digas mais nada - as ondas, num misto de frustação e pena, cortaram-me a divagação - não adianta ficares por aí a chorar, pois não será a dor que a irá trazer-te de volta. Quando não podes ter tudo o que AMAS, ama tudo o que tens. E neste momento tudo o que tens somos nós, por isso vem divertir-te conosco enquanto esperas por que ela solte das profundezas negras e sombrias onde está presa.

-Ela está presa? - o meu coração disparou não pela surpresa, mas pela confirmação do que há muito tempo já sabia.

- Sim ela está presa por uma cadeia que é muito dificil de abrir.

- Quem foi que a prendeu? E o que é que a mantém presa?

- O senhor dela, o Abismo Profundo. Sabes que ela não pode viver fora de água, não porque não possa respirar, mas pelo AMOR que sente por ela. Não sei se alguma vez te disseram mas a água é sua filha.

(continua)

Fiquem Bem!

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Yupii!!!


Depois de exactamente 7 looooongos meses sem mergulhar no mar, eis-me já com as guelras molhadas e com a energia vital reposta. (Não sei porquê lembrei-me agora de uma das minhas BD’s favoritas – NAMOR o principie das profundezas – talvez por também ele após ficar muito tempo sem mergulhar perder as forças).

Asneiras à parte – não ter usado Nitrox foi a maior, ter tentado calçar as barbatanas na água revelou-se também uma grande “iztupideze” – os mergulhos apenas valeram pelo regresso ao meu habitat. O ponto mais negativo no entanto foi a câmara ter decidido, tal como tinha acontecido no River em Janeiro, não colaborar, aqui fica a história.

Depois do 1º mergulho em que o flash externo pura e simplesmente não funcionou obrigando-me a tirar algumas fotos com o interno, que graças à suspensão ficaram a porcaria do costume, no 2º mergulho lá consegui convencer o malfadado flash a colaborar, quer dizer às vezes. Aí surgiu novo problema, vidro da objectiva embaciado, bolas logo agora que eu tinha conseguido convencer o estupor do flash a trabalhar, OK é só esperar uns minutos e ele desembacia. A temperatura da água estava mais baixa do que no River (Sesimbra 26 metros de profundidade) e a descer, dificultando assim o desembaciamento, por fim estava quase, já dava para fazer uns bonecos e o mergulho aproximava-se do termo, não pela falta de ar mas pelo tempo de descompressão (para os entendidos saí com o grupo de pressão T a 18 metros, já na zona cinzenta), agora é que vai ser pensei eu para com os meus velcros (para além de não ter botões no equipamento, é um pouco difícil de falar debaixo de água), puro engano, pisca uma luz vermelha no ecrã avisando que a bateria tinha chegado ao fim! Mesmo com o regulador na boca desatei a dizer impropérios que fizeram corar um polvo que por ali andava. Ainda assim tirei uma foto à âncora da Ponta da Piedade que ficou o nojo que estão a ver devido à falta de energia para o flash.

Mas valeu por ter matado as saudades, já foram muito bons só por isso. Outra coisa que gostei imenso de ver foi a quantidade de gorgónias que forma verdadeiros jardins submarinos e que segundo um dos meus companheiros de mergulho, acabado de chegar do mar vermelho (que inveja) só mesmo lá é que se vêm em maiores quantidades.

Outra consideração que aqui queria deixar é sobre as alterações climáticas. Elas estão mesmo aí, como se não bastasse tudo o que vemos nos telejornais e sentimos na própria pele, no fundo do mar são notórias. E aqui é que reside o maior problema, pois como é do conhecimento geral são os oceanos que servem de reguladores atmosféricos e são eles os principais responsáveis pelo clima terrestre.

Ao contrário do ar cujas condições são muito mais voláteis, no mar as alterações tentem a ocorrer mais lentamente mas nestes últimos anos têm sido bastante grandes, começando pela temperatura da água que ontem era muito baixa tendo em consideração que estamos no Algarve e é Agosto, eu tiritava de frio como nunca a uma profundidadezinha de 16 metros, com um fato semiseco de 6,5 mm, o mesmo que uso para ir ao River a 30 metros de profundidade em Sesimbra! Depois o facto de apesar do vento estar de Noroeste há vários dias a água estar extremamente turva. Para quem não conhece o mar por estas bandas pode não achar nada de especial mas para quem como eu mergulha aqui há quase 30 anos, não deixa de ficar surpreendido com isto. Com estas condições de tempo o mar devia estar com uma visibilidade de 20 metros ou mais em vez de 3 a 5 metros que apanhei ontem.

Já argumentaram comigo que o vento tem tido “saltos” e que não tem sido constante. Até concordo, mas em primeiro lugar esses “saltos” são estranhos, em segundo com esses saltos a água não devia estar tão fria e por fim pergunto se esses “saltos” não serão a consequência do estado do mar?

Por isto volto a apelar que assinem a petição aqui ao lado da “Inconvenient Truth” pois sendo uma iniciativa ecológica que tem como mentor alguém como Al Gore (ex-vice presidente dos EUA, e considerado neste momento como o mais provável próximo presidente) será talvez a que maiores probabilidades tem de ter êxito, para além de que tratando-se de um presidenciavel da nação mais poluidora do planeta só por si terá todo o sentido que todos a apoiem e que tornem deste modo a questão ambiental como o principal ponto em discussão nas próximas eleições americanas.

Não há tempo a perder, as alterações climáticas são irreversíveis, tudo o que podemos neste momento fazer é torná-las mais suaves e menos bruscas, mas é fundamental que o façamos pois a outra opção poderá levar à extinção da raça humana ou mesmo de todos os mamíferos, lembrem-se do que aconteceu com os Dinossauros, criaturas muito mais resistentes do que nós e que foram exterminadas em poucos anos pela alteração do clima do planeta!


Fiquem Bem!

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Férias.



Antigamente via-se a baía daqui. Ali à esquerda da palmeira.

Lembro-me da guerra que foi para autorizarem transformar um sotão num andar. Era uma questão de poucos cm. Depois, como cogumelos, surgiram prédios de 3, 4 e mesmo 5 andares!

Mas agora estou de férias e amanhã vou mergulhar! Nem sei se conseguirei dormir depois de meses a seco, vou molhar as guelras!

Tentei publicar esta mensagem por mms e o resultado foi catastrófico. Isto de estar de férias sem internet de banda larga às vezes dá nisto.

Fiquem Bem!

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Cansaços

Criei um novo nick, quer dizer é o mesmo só acrescentei 2. Era uma conta que criei no serviço e para testar algumas soluções menos ordodoxas na net e que resolvi adaptar para escrever 1 ou 2 linhas sempre que necessito de me afastar de um problema para o rever sob outro prisma.

Muitos de vocês devem estar a interrogar-se sobre esta história do prisma, eu explico: quando chego a uma situação que sinto muita resistencia ao avanço, utilizo a mesma técnica que no TT, quando atascamos é sair de marcha atrás. E muitas vezes para "limpar" a mente das equações que me levaram ao "atascanso", distraio-me com outras coisas, antes de tentar nova aproximação ao problema.

Assim aproveito esses "reset" para ir escrevendo ou comentando nos blogs. Não se tem notado nada. Pois não o trabalho não tem deixado muito tempo para "resets". Até porque as tão desejadas férias estão quase à porta. Só faltam 7 horas de trabalho!

Fiquem Bem!